<< Blog do Dé >>

"Somos todos iguais, braços dados ou não"

Confie... as coisas acontecem na hora certa.
As coisas acontecem exatamente quando devem acontecer!

Momentos felizes, louve a Deus.
Momentos difíceis, busque a Deus.
Momentos silenciosos, adore a Deus.
Momentos dolorosos, confie em Deus.
Enfim...
Em Cada momento, agradeça a Deus.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Tentações do Músico - Como Lutar?

TENTAÇÃO DO MÚSICO: com certeza a mais perigosa de todas. É quando você diz: "Orgulho, eu? Eu, artista? Não". É a tentação que ignoramos, que escondemos, e que pouco a pouco vai crescendo e nos dominando. É aquela que não contamos a ninguém, não partilhamos. É a mais perigosa porque é a mais oculta, é a que não admitimos nem para nós mesmos.

A tentação pode ser qualquer uma desde que você não admita, não partilhe, ignore, esconda, porque aí sim você é escravo dela e com certeza ao longo do tempo ela aparecerá e o destruirá. Não esconda sua fraqueza, busque ajuda, esteja atento, volte seu coração a cada minuto para as coisas de Deus.

Satanás sabe onde está sua fraqueza e vai tentá-lo aí. Portanto, é necessário que você também conheça sua fraqueza e busque a misericórdia de Deus. Somente ela pode sustentar você. Falamos muito das tentações, mas queremos também partilhar o como lutar contra estas e outras que a todo dia, a toda hora, estão a nos afligir. É necessário que aprendamos a lidar com elas.

Três pontos são importantes e mencionam como orientação bíblica de como lutar contra estes ataques do inimigo:

1 - FUGIR - fuja das tentações e oportunidades de pecado. São Paulo, em 2Tm 2,22, diz:
"Fuja das paixões da mocidade"...

Não disse: "Fique aí, enfrente-as, seja valente" e sim FUJA. Lembra de José, o sonhador, um homem muito bonito que fora tentado pela esposa de Putifar, um eunuco, uma mulher muito bonita e com necessidade? Diz a Bíblia que a mulher atirou-se em cima de José. E o que ele fez? Saiu correndo porque, se ficasse, acabaria gostando e depois não adiantaria dizer que foi uma vítima das circunstâncias, que não conseguiu evitar. Meu irmão, faça como José, FUJA! Não pense duas vezes. Não enfrente a tentação se você pode evitá-la, pois perderá o duelo. Muitos pecados não existiriam se nós fôssemos precavidos e menos impulsivos.

2 - RESISTIR - São Pedro dizia em sua primeira carta, capítulo 5, versículo 9:
"Resisti a satanás, fortes na fé".

Se você não pôde fugir, resista. Quando um filho de Deus resiste, ele o ajuda.

Contudo, há várias formas de resistir, algumas citamos como as mais importantes:

2.1 - Peça ajuda a Deus e aos irmãos;
2.2 - Busque mais continuamente os sacramentos;
2.3 - Procure evitar as situações que facilitam este pecado acontecer;
2.4 - Aumente e melhore sua oração;
2.5 - Jejue, faça penitência e abstinência.

3 - ORE - em Mt 26,11 está escrito:
"Vigiai e orai para que não entreis em tentação; o espírito está pronto, mas a carne é fraca”.

Se você está caindo facilmente em tentações é porque não está orando. Quando um ministério de música, um ministro de música, uma banda preocupa-se excessivamente com cabos, instrumentos, caixas, microfones, mesas de som, é porque sua atenção está voltada para coisas exteriores e menores. Não estou afirmando que não é preciso qualidade em tudo isto, mas não é o principal.

Quando uma banda não está afinada, não soa muito bem, não é por falta de ensaio e sim por falta de oração. É comum muitas bandas e ministérios dividirem-se por brigas, contendas internas, competições, tudo fruto da falta de oração. Um ministro de música, ministério de música ou banda, quando não ora, perde a unção e começa a buscar em sua atividade subterfúgios para conseguir animar as pessoas, tocá-las. Mas não funciona. ORE.

Fonte: TENTAÇÃO (Formação de Músicos - Coleção Paulo Apóstolo)

Artista que não quer sofrer, vai ser um artista infértil

O termo limite é muito sugestivo. Ele nos coloca naquilo que a gente pode. Quem ama coloca limites.
Pai costuma ser mal compreendido quando põe limite. E às vezes tem medo dos filhos. Quando o filho compreende que o limite é para sua felicidade, lhe gera alegria.

Cada vez que você se irritar com o ‘sinal fechado’, se lembre que alguém está alegre por encontrar um sinal verde. Precisamos ser criativos. A raiva limita a nossa imaginação. Somos egocêntricos. Somos ligados as nossas necessidades e limites.

O artista é o ser humano que mais condensa defeitos no mundo. Temos limites demais porque temos mil e uma possibilidades. Ele consegue ver o mundo com mais amplitude.

O artista é aquele que consegue retirar o mais simples de todos acontecimentos e revestir de poesia, como ainda não tínhamos possibilidade de fazer. Ele tem o poder de retirar do dia comum, aquilo que a gente não viu. Uma sensibilidade que faz diferença na vida.

Outro dia estava ouvindo Adélia Prado que dizia assim: 'o poeta, o artista é aquele que consegue retirar a vida da mira do tempo'. O poema é uma forma de resgatar aquilo que não morre mais.

Conheça a fragilidade dos grandes artistas.

Você deve conhecer muito compositor católico que mudou a vida de muita gente, mas você olha a vida dele e vê o sofrimento. Mas você não pode negar a obra que Deus faz na sua obra. Onde está o nosso trabalho? Cuidar desse limites que está em nós para que eles não atropelem a arte de Deus que está em nós.

É se colocar na necessidade dos retoques diários. Se tenho mais limites, mais cuidados preciso ter. É o aperfeiçoamento da arte que há em você.

Quanto maior a qualidade da sua arte, maiores os defeitos que lhe acompanharão.
No momento em que escrevemos, quantos rascunhos se faz? Quanto mais rascunhos, melhor a qualidade da arte. Mas a experiência do rascunho, do limite, gera o aprimoramento.

Precisamos de "pontes" que nos dê segurança. Senão ninguém atravessa. O artista tem que se prestar a viver o ofício de ser ponte. Nós estabelecemos a ponte, o vínculo. Padre tem que viver uma sensibilização artística o tempo todo. Nem precisa escrever música ou poesia. É a capacidade de estabelecer simpatia.

Olha para o Calvário. Se esta cena não fosse descrita com olhos de poeta, não gostaríamos do que vimos. Olhe para aqueles que se encantaram com a beleza de Jesus. Descobriram na Palavra de Jesus um jeito de sanar suas fragilidades e limites.

Confiar na providência é você ter consciência do seu limite. Não chove maná na casa de ninguém. Não vai trabalhar não para você ver. A Canção Nova vive da providência, mas venha ver os bastidores. Estão todos dando o sangue naquilo que podem.

Quanto maior o limite de uma pessoa, maior o número de "assessores" que ela precisa. Nossos limites serão mais bem vividos, a partir do momento que tivermos ao nosso lado pessoas que nos amam. Quanto maior a responsabilidade que você tem, mais a necessidade de gente para pensar com a gente!

Meu maior limite é com fotografia. Parece que cada foto arranca minha alma. Quando eu sou colocado numa situação que coloca meu limite para fora, eu não gosto. Porque gosto de dar o meu melhor.

Quando alguém fala um desaforo para gente, esbarra na nossa ferida. Muitas vezes não gostamos de esbarrar em nossos limites, mas precisamos tocá-los.

A morte de Jesus decepcionou os discípulos. Porque eles não haviam entendido. Voltam à antiga vida, porque perderam a "assessoria" que tinham.
Para o artista cristão, o assessor principal é Cristo! Ele que te dá condição de você exercer a arte que você exerce. É a voz Dele que você precisa ouvir, é o exemplo dele que você precisa seguir.

Você experimenta a solidão na sua vida e lamenta a falta de pessoas. Quantas vezes você se perde em você mesmo porque não tem alguém ao seu lado para lhe dizer "faça assim", "vá por esse caminho". E o que você mais precisaria, era alguém que olhasse nos seus olhos e lhe ajudasse a tomar a decisão certa.

Se você tem muito mais limites, suas lutas serão maiores também. Os vícios entram na vida do artista quando ele não sabe lidar com os limites que tem. Uma boa música com certeza foi criada quando o artista não sabia dizer a dor que sentia. Se não nascem nas dores, elas não tocam ninguém. Mas quando você não sabe o que fazer com aquela dor, a melodia vem, a música vem.

Artista que não quer sofrer, vai ser um artista infértil.

Os defeitos que você tem, estão aí para lhe construir! Não faça uma interpretação negativa dos seus limites. Não os negue. Na hora que você precisar, além de clamar pelos amigos, clame ainda mais pelo Senhor de sua arte!

Artista que não reza, jamais será "ponte" para algum lugar. É Jesus quem socorre nossos limites, e dá sentido. Precisamos da "ponte" que Ele nos dá. E aquilo que Ele nos oferece é o que aprendemos a oferecer também.

Transcrição: Nara Bessa

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

A Alma de Maria

Talvez, como eu, você se tenha perguntado mil vezes: como é a alma de Maria? Como ela vê o mundo, as pessoas? Como se relaciona com Deus, com as pessoas, com o criado? Como sente? Como pensa? Como age? Como reage? Como medita? Como ora Maria?

Talvez, até, você estranhe de estarmos utilizando o verbo no presente. Mas é que este é exatamente primeiro segredo ao se contemplar Maria. Tem-se que utilizar sempre o presente: o céu existe nela desde sua concepção. Hoje, é certo, ela está no céu, de corpo e alma, ressuscitada, plena também em seu corpo do que ela aqui viveu plenamente. Mas como é, afinal, a alma desta que trouxe o céu em si e nunca conheceu em sua alma nada que não fosse o próprio céu?

Nós, que mal e mal conhecemos nossa alma, nós a quem o acesso pleno à própria alma é impossibilitado pelo pecado, nós, a quem o acesso irrestrito ao próprio corpo, à própria história é barrado pela imperfeição, ousamos contemplar, amorosos, a alma de Maria.

Como isso só é possível se nos for dado do céu, pelo poder do Espírito Santo, em uma partilha de sua intimidade com a Esposa, é a Ele que devemos pedir licença para penetrar neste santuário incomparável. Somente Ele, também, poderá ser nosso guia. O recato de Maria, sua vida interior tão rica quanto reservada, o fato de que ela só ama, não permitiria que ela mesma fosse nossa guia. Maria não caminha no interior de si mesma: caminha no interior de Deus, em quem vive.

Este é o primeiro aspecto a ser contemplado: nada há em Maria que seja ela mesma. Ela é toda ela mesma, certamente, em seu corpo e alma. No entanto, não é nela que se encontra a ela própria, pois ela não vive em si nem para si. Vive toda em Deus e para Deus. No outro e para o outro. Se se quiser encontrá-la, portanto, é Nele que a encontramos. Esta é a primeira coisa a aprender: só é plenamente, só é verdadeiramente quem se é quando não se é para si e não se é em si.

Ao buscarmos a alma de Maria, sua vida interior, seu íntimo mais íntimo, não a encontramos. Encontramos Deus. Encontramos o homem, cada homem, todo homem. Encontramos a vontade de Deus mais plenamente pura – e, portanto, mais plenamente escondida, misteriosa, desafiante - e mais radicalmente obedecida. Encontramos um universo sem fim de corações de homens guardados em seu coração.

Ao ser visitada por Gabriel, ao receber os pastores, ao acolher os magos, ao ouvir Simeão, Maria não arquiva palavras e fatos em seu coração, como eu faço facilmente com as palavras que escrevo, arquivando-as na memória de meu computador. Maria não arquiva fatos, frases, constatações, acontecimentos em sua memória. Maria guarda mistérios em sua alma, em seu coração. Guarda-os, como se entesoura coisas preciosas: atentamente, amorosamente, cuidadosamente, respeitosamente. Guarda o mistério da vontade de Deus, guarda o mistério da alma de cada pessoa, da sua e da minha.

Buscamos a alma de Maria e encontramos Deus. Buscamos seu coração e encontramos o homem. Buscamos seu íntimo e encontramos amor. Por isso não a encontramos. Ela não existe senão em Deus e nos outros. É a mulher-amor, a toda graça, a toda de Deus, a nada dela mesma.

É difícil evitar um sorriso complacente quando a gente vê pessoas que se querem vestir como Maria, caminhar como Maria, agir como Maria, amar como Maria. Teriam que vestir-se de sol, pois era Maria quem dava sentido ao que vestia, e não o contrário. Teriam que caminhar para dentro de si mesmos, onde habita Deus, pois o caminho de Maria não é para realizações exteriores, mas interiores. Teriam que agir sem agir, entregues, abandonados, pois, em Maria, quem faz toda a Obra é Deus. É Ele quem a direciona a agir para que o amor seja implantado, sempre. E, como o amor é pequeno, sempre pequeno, sempre loucamente perdido em Deus e nos outros, ao quererem amar como Maria teriam que, literalmente, desaparecer, sumir, diminuir até ser nada e Deus ser tudo.

Tenho para mim – cá com meus botões mais íntimos – uma intuição que João, o Batista, conheceu muitíssimo bem a alma de Maria. Foi por meio dela que sua alma foi purificada ainda no seio de Isabel. Os dois, a partir de então, desenvolveram uma cumplicidade única, irrepetível, sobre a terra: a vida – para ela desde a concepção, para ele desde os seis meses de gestação – livre do pecado original.

Cúmplices, os dois desapareceram e deixaram aparecer quem amavam. Deixaram aparecer quem interessava. Cederam todo o seu espaço interior e exterior para Aquele de quem eram mediador e medianeira e, ao amar, sumiram, desfizeram-se em amar, consumiram-se em não ser para si e em si para serem para Ele e Nele: o Menino, o Cordeiro, a Criança de Deus.

Maria é, então, uma despersonalizada, uma pobre coitada, pouco brilhante, sem expressão, indefinida? Quem ousaria pensar tal coisa?!? Ninguém há que seja tão ela mesma. Ninguém que seja tão feliz. Ninguém que tenha tamanho brilho. Ninguém que tenha influenciado tanto a humanidade afora Jesus, o Filho, para quem ela é toda.

A alma de Maria é Jesus. É o Pai. É o Espírito. A alma de Maria é a Trindade em permanente relacionamento de amor. Maria é feita e se faz amor e amar. Dá-se em tudo e sempre. Porque não busca a si mesma encontra-se plenamente. Porque não busca a própria realização realiza-se profundamente. Porque não se dá descanso, é paz. Porque faz sua a vontade do Pai, ainda que só a conheça como mistério, é inteiramente livre e feliz.

A alma de Maria. Maria. A que é porque não é. A que existe em Deus que é seu habitat. A que faz-se tão ampla, tão aberta, tão plenamente o outro que nela só há espaço de abertura e acolhida; nela, o paraíso de Deus; nela o paraíso dos homens; nela o não aparecer para que só Deus seja visível; nela o não falar para que só Deus seja Palavra, nela o abandono para que em tudo faça-se, plenamente, a vontade de Deus, para a Sua felicidade, para a felicidade do homem.

Quem tem amor assim, este conhecerá a alma de Maria, paraíso de Deus, paraíso do homem. A esta alma, só o amor conhece, só o amor a Deus e aos homens toca e maravilha-se com o mistério escondido no não ser para ser plenamente, no perder-se em amor para que o Amor seja tudo em todos.

Emmir Nogueira Comunidade Católica Shalom

Fonte: http://comunidadeshalom.org.br/formacao/exibir.php?form_id=3013

terça-feira, 23 de setembro de 2008

São Padre Pio de Pietrelcina

São Padre Pio
23 de Setembro

Este digníssimo seguidor de S. Francisco de Assis nasceu no dia 25 de Maio de 1887 em Pietrelcina. Ainda criança era muito assíduo com as coisas de Deus, tendo uma inigualável admiração por Nossa Senhora e o seu Filho Jesus, que os via constantemente devido a tanta familiaridade. Ainda pequenino havia se tornado amigo do seu anjo da Guarda a quem recorria muitas vezes para auxiliá-lo no seu trajeto nos caminhos do Evangelho.


Conta a história que ele recomendava muitas vezes as pessoas a recorrerem ao seu anjo da guarda estreitando assim a intimidade dos fiés para com aquele que viria a ser o primeiro sacerdote da história da igreja a receber os estigmas do Cristo do Calvário.

Com quinze anos de idade entrou no noviciado em Morcone adotando o nome de "frei Pio" e foi ordenado padre em 10 de agosto de 1910. Recebeu os estigmas, sinais da Paixão em seu próprio corpo. Entregando-se inteiramente ao Ministério da Confissão, buscava por este sacramento aliviar os sofrimentos atrozes do coração de seus fiés e libertá-los das garras do Demônio que era conhecido por ele como "barba azul".

Torturado, tentado e testado muitas vezes por este, sabia muito da sua astúcia no seu afã em desviar os filhos de Deus do caminho da fé. Percebendo que não somente deveria aliviar o sofrimento espiritual, recebeu de Deus a inspiração de Construir um grande hospital, o tão conhecido "Casa Alívio do Sofrimento", que viria a ser o referência em toda a Europa.

A pedido do Santo Padre, devido aos horrores provocados pela Segunda Guerra Mundial, cria os grupos de Oração, verdadeiras células catalisadores do amor e da paz de Deus para serem despenseiros de tais virtudes no mundo que sofria e angustiava-se no vale tenebroso de lágrimas e sofrimentos.

Na ocasião do aniversário de 50 anos dos grupos de oração celebra-se uma Missa nesta intenção. Seria esta Missa o caminho do seu Calvário definitivo, onde entregaria a alma e o corpo ao seu grande apaixonado; a última vez que os seus filhos espirituais veriam o padre a quem tanto amavam. Era madrugada do dia 23 de setembro de 1968, no seu quarto conventual com o terço entre os dedos repetindo o nome de Jesus e Maria, descansa em paz aquele que tinha abraçado a cruz do Cristo, fazendo desta a ponte de ligação entre a terra e o céu.

Padre Pio que diz: "Ficarei na porta do Paraíso até o último dos meus filhos entrar".

São padre Pio, Rogai por nós!

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Mater Dolorosa

Estava a Mãe dolorosa chorando junto à cruz, a qual seu Filho pendia.
Sua alma soluçante, inconsolável e angustiada era atravessada por um punhal.
Ó quão triste e aflita estava a bendita Mãe do Filho Unigênito!
Transpassada de dor, chorava vendo o tormento de seu Filho.
Quem poderia não se entristecer ao contemplar a Mãe de Cristo sofrendo tanto suplício?
Quem poderia conter as lágrimas, vendo a Mãe de Cristo dolorida junto ao seu Filho?
Pelos pecados do seu povo, Ela viu Jesus no tormento, flagelado por seus súditos.
Viu seu doce Filho morrendo desolado ao entregar seu espírito.
Ó Mãe, fonte de amor, faz como que eu sinta toda sua dor para que eu chore contigo.
Faz com que meu coração arda no amor a Cristo Senhor...
Mãe Santa, marca profundamente no meu coração as chagas do teu Filgo crucificado.
Por mim, teu Filho coberto de chagas, quis sofrer seus tormentos, quero compartilhá-los.
Faz com que eu chore e que suporte com Ele a sua cruz, enquanto dure a minha existência.
Quero estar de pé, ao teu lado, junto à cruz, chorando junto a ti.
Virgem de virgens notável, não sejas rigorosa comigo, deixa-me chorar junto a ti.
Faz com que eu partilhe da sua paixão e que rememore suas chagas.
Faz com que me firam suas feridas, que sofra o padecimento da cruz, pelo amor de teu Filho.
Inflamado e elevado pelas chamas, seja defendido por ti, ó Virgem, no dia do juízo final.
Faz com que eu seja custodiado pela cruz, fortalecido pela morte de Cristo e confortado pela graça.
Quando o corpo morrer, fax com que minha alma alcance a glória do paraíso.
Amém.
Pelos séculos dos séculos.

Frei Jacopone de Todi

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Tríduo de Exaltação à Santa Cruz

Oração Inicial para todos os dias do Tríduo:

Diante da tua Cruz +, ó Mestre, nos prostramos
e glorificamos a tua santa Ressurreição. (3 vezes)
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio,agora e sempre, pelos séculos dos séculos. Amém.

Adoramos a tua Cruz+, ó Mestre,
e glorificamos a tua santa Ressurreição. (3 vezes)

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio,agora e sempre, pelos séculos dos séculos. Amém

Exaltai ao Senhor, nosso Deus
e prostrai-vos ante o escabelo de seus pés
porque Ele é Santo.
Salva-nos, ó Filho de Deus,
Tu que foste crucificado na carne,
a nós, que a Ti cantamos: aleluia!
Salva, Senhor, o teu povo
e abençoa a tua herança.
Concede à tua Igreja a vitória sobre o mal
e guarda o teu rebanho pela tua Cruz.

Ó Cristo Deus, que voluntariamente, foste elevado na Cruz,
tem compaixão do povo que traz o teu Nome.
Alegra, pelo teu poder, a tua santa Igreja
e concede-lhe a vitória sobre o mal.
Que tua aliança seja para nós
uma arma de paz e um troféu de vitória!

Ó Mãe de Deus, tu és o paraíso místico,
pois sem ser cultivada, produziste Cristo,
que plantou a árvore da Cruz.
Por isso, agora O adoramos crucificado
e a ti exaltamos.
Gravada está sobre nós, Senhor,
a luz da tua face.

Aleluia, aleluia, aleluia!

1º Dia:

Vinde fiéis! Adoremos o Madeiro que dá a vida,
no qual, Cristo, o Rei da glória,
estendeu voluntariamente seus braços,
restaurando em nós a felicidade primitiva;
nós que, dominados pelo mal e pelas paixões
estávamos afastados de Deus.
Vinde, adoremos a Cruz,
que nos dá a vitória sobre o mal.

Vinde, povos da terra,
honremos com hinos a Cruz do Senhor, cantando:
"Salve ó Cruz, libertação de Adão decaído,
porque em ti, toda a Igreja se alegra!
Nós, fiéis, a venerar-te com respeito e devoção,
glorificamos a Deus que em ti foi fixado, dizendo:
Senhor que foste crucificado, tem piedade de nós,
porque Tu és bom e amas a humanidade!

Cumprida, Senhor foi a palavra de teu profeta Moisés:
"Vereis vossa Vida suspensa a vossos olhos".
Hoje, a Cruz é exaltada e o mundo se liberta do erro.
Hoje, renova-se a ressurreição de Cristo;
regozijam-se os confins da terra,
e, com hinos e salmos, como outrora Davi, exclamam:
"Realizaste hoje, a salvação do mundo,
passando pela Cruz e a Ressurreição,
pelas quais nos libertaste, Senhor Nosso Deus!"
Salva, Senhor, o teu povo
e abençoa a tua herança.

Tem piedade de nós, ó Deus,
segundo a tua grande misericórdia,
nós te suplicamos, escuta-nos e tem piedade de nós!

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio,agora e sempre, pelos séculos dos séculos. Amém!

2º Dia:

Hoje foi colocado no lenho
aquele que sustém a terra sobre as águas.
É coroado de espinhos o Rei dos anjos.
Púrpura injuriosa é a veste
de quem cobrira o céu de nuvens.
Recebe cusparadas
aquele que no rio Jordão
libertou Adão de seu pecado.
Cravado é o Esposo da Igreja,
transpassado pela lança o Filho da Virgem.
Teus sofrimentos, Cristo, hoje veneramos;
mostra-nos também a glória de tua ressurreição.

Dia de adoração da Santa Cruz!
Todos se acercam para adorá-la!
Vede-a exposta perante nós:
brilha com os esplendores
da ressurreição de Cristo.
Vamos, pois, com alegria espiritual,
render-lhe veneração.

Nós, fiéis, a venerar-te com respeito e devoção,
glorificamos a Deus que em ti foi fixado, dizendo:
Senhor que foste crucificado, tem piedade de nós,
porque Tu és bom e amas a humanidade!

Tem piedade de nós, ó Deus,
segundo a tua grande misericórdia,
nós te suplicamos, escuta-nos e tem piedade de nós!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio,agora e sempre, pelos séculos dos séculos. Amém!

3٥ Dia:

Na Cruz, Cristo deu morte ao autor de nossa morte. Devolveu a vida e a beleza a quem as tinha perdido; e, num desdobramento de bondade e misericórdia, restituiu-lhes o direito de cidadania no céu.

Na Cruz cancelaste, Senhor, o assentamento de nossa dívida. Cantado entre os mortos, prendeste o tirano que reinava sobre eles; e com tua ressurreição, libertaste-nos dos laços da mor.

Tua Cruz, Senhor, adoramos
e proclamamos tua santa ressurreição.
Salva teu povo, Senhor,
e abençoa tua herança;
concede aos governantes
vitória sobre os bárbaros;
e dá-nos, por tua Cruz, parte em teu reino.

Sou a Cruz, salvaguarda do universo;
minha morada é a eternidade,
onde gozo de igual veneração à do Corpo imortal.

Tem piedade de nós, ó Deus,
segundo a tua grande misericórdia,
nós te suplicamos, escuta-nos e tem piedade de nós!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio,agora e sempre, pelos séculos dos séculos. Amém!

Oração Final para todos os dias do Tríduo:

Abre-me os lábios, ó Rei dos séculos, ilumina minha mente e meu espírito, e santifica minha alma para poder, ó Verbo, louvar tua Cruz venerada; envia teu Espírito e instrui-me, de sorte que possa exclamar com amor:

Salve, ó Cruz, glória do universo!
Salve, ó Cruz, fortaleza da Igreja!
Salve, inexpugnável bastião dos sacerdotes!
Salve, diadema dos reis!
Salve cetro do soberano Criador de todas as coisas!
Salve, ó Cruz, na qual Cristo aceitou padecer e morrer!
Salve, grande consolo dos aflitos, arma invencível no meio da luta!
Salve, Cruz, ornato dos anjos e proteção dos fiéis!
Salve, ó Cruz, pela qual foi o inferno derrotado!
Salve, ó Cruz, pela qual fomos redimidos!
Salve, lenho bem-aventurado! 19
Veneremos a Cruz preciosa,
remédio universal
e fonte de santidade.
É lenitivo das dores,
desterra a enfermidade
e livra de todo sofrimento os enfermos.
Nós adoramos a Cruz, uma vez que nela bendizemos ao Crucificado.

AMÉM!

Oracação para acabar com a inveja

Oração a São Bento para acabar com a inveja:

Graças se dêem a todo momento , ao Santíssimo Senhor,Pai de misericórdia , pois concedeu a São Bento o poder de desmascarar a trama dos maus.

Em vós confio, São Bento, e peço-vos força mental e espiritual para reagir contra os males do mundo, a perseguição invisível, a calúnia e a inveja.

Que as bençãos de Nosso Senhor se derramem sobre o meu coração,pois assim, manterei distância dos inimigos mascarados de amigos e de toda inveja que assola os corações impuros.

São Bento, rogai por nós e livra-nos do mal!

Amém !

Lembrai-vos

PODEROSA Oração para N.S. do Sagrado Coração:

Lembrai-vos
ó Nossa Senhora do Sagrado Coração,
que sois a Mãe de Jesus,
a "bendita entre todas as mulheres".
Temos confiança em vós
porque estais unida a Cristo,
Vosso Filho e Nosso Senhor.
Sabemos de nossa fraqueza e
de nossa miséria
e por isto vimos implorar a vossa proteção.

Ajudai-nos, ó Mãe querida.
Dai-nos força e coragem.
Conservai-nos na esperança até o dia
do nosso encontro definitivo com Deus, nosso Pai.

Ó Mãe carinhosa, libertai-nos do egoísmo.
Alcançai para o mundo a paz e o amor.
Concedei-nos em especial
os favores que vos suplicamos..
Apresentai estes nossos pedidos
e ações de graças ao Vosso Filho
e fazei, ó Maria,
que venha a nós o seu Reino,
Vós que sois a Senhora do Sagrado Coração.
Amém!

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Oração do Músico Cristão



Senhor, Jesus Cristo,
Somos notas diferentes na mesma pauta do Reino de Deus.
Nós Te louvamos por este tempo de pausa, de silêncio.
Lembramos que a quietude de Tua Mãe, Maria,
Permitiu que ela respondesse SIM!
E a Canção se fez gente, e habitou no meio de nós (Jo 1,14).
Temos timbres diferentes,
E exatamente por isso podemos cantar na trinitária harmonia
Dos acordes da fé, da esperança e do amor.
Que possamos unir nossas diferenças
Para que a canção seja mais santa e mais bela.
Sabemos que na vida existem acidentes.
Mas não nos deixes cair na desafinação.
Que possamos ouvir a voz uns dos outros,
Seguindo as tuas orientações e movimentos,
Nosso maestro maior!
Alerta-nos para que saibamos obedecer os sinais de expressão:
Desde o pianíssimo e oculto serviço da composição,
Até a fortíssima visibilidade de nossa canção nos meios de comunicação.
Acima de tudo nós te pedimos:
Lembra-nos que a clave é quem dá o nome, a altura e o significado
De tudo o que cantamos.
E a nossa clave és Tu, Sol Nascente, Luz do Alto,
Que veio nos ensinar a profetizar pela canção,
Com os olhos para o alto e com os pés firmes no chão.
De todas as verdades és o Supremo cantor.
Senhor Jesus,
Nossa boca cantará ao ritmo do Teu coração.
Unidos cantaremos a tua eterna canção de Amor.
Amém!

Padre Joãozinho, SCJ

terça-feira, 2 de setembro de 2008

O Bordado de Deus

(Uma história que nos ensina a confiar cegamente no Plano que Deus tem para nós)

Quando eu era pequeno, minha mãe costumava cozer muito. Eu me sentava perto dela e perguntava o que estava fazendo. Ela me respondia muito tranquilamente que estava bordando algo.

Sendo eu pequeno, observava desde abaixo o seu trabalho, por isso, eu reclamava dizendo-lhe que só via uns fios feios, deformados e escuros. Ela sorria, olhava para baixo e dizia:

- "Filho querido, vai brincar lá fora um tempinho e quando eu tiver terminado o bordado, te colocarei em meu colo e você verá o meu bordado desde acima."

Eu me questionava por quê ela usava alguns fios escuros e por quê tão desordenados desde onde eu estava. Mais tarde, escutava a sua voz dizendo-me:

- "Filho, vem, senta no meu colo."

Eu o fazia imediatamente e me surpreendia e me emocionava ao ver a formosa flor ou o belo entardecer no bordado. Não podia acreditar; desde abaixo só via alguns fios enrolados. Então minha mãe me dizia:

"Meu filho, desde abaixo se vê confuso e desordenado, porém você não percebia que por cima havia um plano. Eu tinha um desenho formoso. Agora olha desde a minha posição, veja como está bonito."

Muitas vezes ao longo dos anos eu olhei para o céu dizendo:

- "Pai, que estás fazendo?"

Ele me respondia:

- "Estou bordando a tua vida meu filho amado."

Então eu replicava:

- "Porém Pai, se vê tudo tão confuso, é uma desordem. Os fios parecem tão escuros, porque não são mais brilhantes?"

O Pai, logo após, parecia dizer-me:

- "Meu filho, ocupa-te do teu trabalho e do teu serviço, confiando em Mim e um dia lhe trarei ao céu e te porei sobre meu colo, e verás o plano desde minha posição

Então entenderás..."

  • Anônimo
  • Contribuição de Eduardo Quesada

Hoje minha mãe me entregou esse texto para ler, e sem saber me ajudou muito a responder certas coisas que eu vinha me perguntando e perguntando a Deus esses dias, e também durante toda a minha caminhada. Agora eu esperarei.

Hoje a confissão me confirmou isso também.
Ai Deus diz: "Preciso dizer mais alguma coisa filho amado"
Ai eu digo: "Precisa não Pai querido. Tenho saudades de Ti e do Céu!"

Abraço a todos.
Deus abençoe a todos e uma ótima semana.
'Totus Tuus'.

Escolhendo o Repertório

Para Ministros e Ministérios de Música

Creio que todos já participamos de momentos inesquecíveis de louvor, oração e adoração, onde “aquela música” foi fundamental para que a Graça de Deus nos atingisse e renovasse a nossa vida. Podemos lembrar-nos das muitas vezes que Deus utilizou determinada canção ungida para falar diretamente aos corações necessitados, levando os participantes às lágrimas que, mais que emoção de momento, são sinal de verdadeira libertação.

Uma das principais dúvidas do ministro de música é o repertório que deve escolher para o momento do louvor, para a adoração, para tocar no grupo de oração, etc. Se você está se preparando para ministrar o louvor com o seu violão em um pequeno grupo de dez pessoas ou para conduzir um momento de adoração ao Santíssimo com o ministério completo (banda completa) e 500 pessoas num ginásio, a questão do repertório sempre vem à tona. Saber escolher a música certa (o repertório como um todo) para um público específico é questão de grande importância. A oração, a pregação, a presença do Santíssimo Sacramento são o centro do encontro, mas a música é parte integrante, essencial e confluente com muitos outros elementos e inspirações do Espírito para estes momentos.

Os que exercem o ministério há mais tempo poderão dizer: “eu deixo simplesmente o Espírito me conduzir e canto/ministro as músicas que Ele me inspira”. É verdade. Muitas vezes o responsável pelo louvor já passou muitas vezes pela “rotina” de rezar, se colocar de joelhos diante de Deus e discernir quais músicas Ele quer utilizar para alcançar o público de determinado evento, e já se “habituou” a processar tudo isso (o hábito ao qual me refiro é o de entrar em oração e intimidade com o Senhor antes desses momentos). Assim, processam rapidamente os diferentes elementos (tipo de evento, de público, de local, etc.) do momento de louvor/adoração e colocam tudo diante de Deus, que conduz seu coração no sentido da edificação (conf. I Cor 14,12) da Igreja de Cristo.

Hoje há músicas sendo tocadas nas mais impensáveis situações, sem que haja preocupação com o contexto ou os temas dos momentos (oração, louvor, evangelização, adoração, velório), mas como ela é do último CD daquele “grupo famoso”, o nosso ministério tem que tocar. Não devemos tocar e cantar somente porque “tal música” está no topo das “paradas de sucesso” e “todo mundo está tocando”, mas porque sentimos que há uma unção especial para tocá-la em certo momento. Graças a Deus, hoje temos CDs e canções belíssimas no meio católico, mas o povo de Deus (para quem nós tocamos e servimos) merece mais que beleza. Merece unção. Merece a música certa, no momento certo e com excelente qualidade (bem cantada e executada).

Estas são algumas perguntas que você deve se fazer na hora de montar um repertório:

1. Qual o tipo de evento?
É um grupo pequeno que irá cantar pela primeira vez? É um grupo de pessoas mais experientes, que conhecem “todas” as músicas? Será um evento ao ar livre? Uma adoração ao Santíssimo? Um retiro com o tema conversão? O público será mais jovem ou adulto?

2. Qual a realidade do lugar?
O que o grupo de oração está vivendo? Qual o tema da formação? Qual o tema do evento? Qual realidade específica o grupo/comunidade está vivendo? Se o evento é em outro bairro ou cidade, qual a história do povo deste lugar? O que Deus colocou na oração por esta missão?

3. Quais músicas me vêm ao coração?
Uma coisa é certa: é difícil ministrar uma música que não nos toca ou que não tem um estilo ou arranjo que nos agrada. É verdade. Mas em certos momentos, é aquela música que achamos “fraquinha” ou “das beatas” que vêm ao nosso coração e é ela que tem a unção pra fazer todos os presentes terem aquele momento especial com o Senhor Jesus. Por isso, escutemos, estudemos e estejamos preparados para ministrar, tocar e cantar qualquer música. Mesmo que o seu ministério, “banda”, grupo tenha um estilo próprio, não esqueça que a sua função é servir (da última vez que vi no dicionário, ministro ainda queria dizer “aquele que serve”) e o seu repertório tem que estar aberto a todas as músicas, aberto à Vontade de Deus.

“Nele é que fomos escolhidos, predestinados segundo o desígnio daquele que tudo realiza por um ato deliberado de sua vontade, para servirmos à celebração de sua glória, nós que desde o começo voltamos nossas esperanças para Cristo.” (Ef 1, 11-12)

Roberto Aires

Fonte: http://www.graodetrigo.com.br/blog/?p=45

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

A devoção à Virgem Maria é necessária para a salvação?

Imagem de Destaque

Quando li o livro do “Tratado da Verdadeira devoção a Santíssima Virgem”, de São Luís Maria Grignion de Montfort, sobre a importância da Virgem Maria para a salvação de todos os homens, confesso que fiquei impressionado. Pensei logo naqueles que “abandonaram” essa devoção e me dei conta da real importância da Santíssima Maria na nossa vida. Então, concluí: isso precisa ser divulgado.

Assim, transcrevo aqui alguns textos para que possam ser mais amplamente conhecidos. Além disso, pretendem responder às duas perguntas abaixo:

- A devoção a Nossa Senhora é necessária para a salvação?

- Sem a devoção a Nossa Senhora podemos nos salvar?

Eis o que está escrito no referido livro de Montfort nos itens 40 a 42:

§ 1. A devoção a Santa Virgem é necessária a todos os homens para conseguirem a salvação

40. “O douto e piedoso Suárez, da Companhia de Jesus, o sábio e devoto Justo Lípsio, doutor da universidade de Lovaina, entre outros, provaram incontestavelmente, apoiados na opinião dos Santos Padres, entre os quais, Santo Agostinho, Santo Efrém, diácono de Edessa, São Cirilo de Jerusalém, São Germano de Constantinopla, São João Damasco, Santo Anselmo, São Bernardo, São Bernardino, Santo Tomás e São Boaventura, que a devoção a Santíssima Virgem é necessária à salvação e também um sinal infalível de condenação - opinião do próprio Ecolampádio e outros hereges, - não ter estima e amor a Santíssima Virgem. O contrário é indício certo de predestinação ser-lhe inteira e verdadeiramente devotado.

41.As figuras e palavras do Antigo e do Novo Testamento o provam; a opinião e os exemplos dos santos o confirmam; a razão e a experiência o ensinam e demonstram; o próprio demônio e seus asseclas, premidos pela força da verdade, viram-se muitas vezes constrangidos a confessá-lo, a seu pesar. De todas as passagens dos Santos Padres e doutores, que compilei para provar esta verdade, cito apenas uma, para não me alongar: “Ser vosso devoto, ó Virgem Santíssima, é uma arma de salvação que Deus dá, àqueles que quer salvar (São João Damasceno).

42. Eu poderia repetir aqui várias histórias que provam o que afirmo. Entre elas, destaco:

Aquela que vem narrada nas crônicas de São Francisco, em que se conta que o santo viu, em êxtase, uma escada enorme, em cujo topo, apoiado no céu, avultava a Santíssima Virgem. E o santo compreendeu que aquela escada ele devia subir para chegar ao céu.

Outra narrada nas crônicas de São Domingos: quando o santo pregava o rosário nas proximidades de Carcassona, quinze mil demônios, que possuíam a alma de um infeliz herege, foram obrigados, por ordem da Santíssima Virgem, a confessar muitas verdades grandes e consoladoras, referentes à devoção a Maria. E eles, para sua própria confusão, o fizeram com tanto ardor e clareza que não se pode ler essa autêntica narração e o panegírico, que o demônio, embora a contragosto, fez da devoção mariana, sem derramar lágrimas de alegria, ainda que pouco devoto se seja da Santíssima Virgem” [Veja abaixo este texto com as respostas dos demônios] (São Luís Maria Grignion de Montfort, “Tratado da Verdadeira devoção a Santíssima Virgem”, pág. 40-45. 31. ed. Vozes. Petrópolis, 2002).

Respostas dos demônios, mesmo contra a vontade deles (*)

Quando São Domingos estava pregando o Rosário perto de Carcassona, trouxeram à sua presença um albigense que estava possesso pelo demônio. Consta que mais de doze mil pessoas tinham vindo ouvi-lo pregar. Os demônios que possuíam esse infeliz foram obrigados a responder às perguntas de São Domingos, com muito constrangimento. Eles testemunharam que:

1 - Havia quinze mil deles no corpo desse pobre homem, porque ele atacou os quinze mistérios do Rosário;

2 - Continuaram a testemunhar que, quando São Domingos pregava o Rosário, impunha medo e horror nas profundezas do inferno e que ele era o homem que eles mais odiavam em todo o mundo; isso por causa das almas que ele arrancou dos demônios por intermédio da devoção do Santo Rosário; revelaram ainda várias outras coisas.

São Domingos colocou o seu Rosário em volta do pescoço do albigense e pediu que os demônios lhe dissessem a quem, de todos os santos nos céus eles mais temiam, e quem deveria ser, portanto, mais amado e reverenciado pelos homens. Nesse momento eles soltaram um gemido inexprimível no qual a maioria das pessoas caiu por terra desmaiando de medo… e eles disseram:

“Domingos, nós te imploramos, pela paixão de Jesus Cristo e pelos méritos de sua Mãe e de todos os santos, deixe-nos sair desse corpo sem que falemos mais, pois os anjos responderão sua pergunta a qualquer momento (…). São Domingos ajoelhou-se e rezou a Nossa Senhora para que ela forçasse os inimigos a proclamarem a verdade completa e nada mais que a verdade. Mal tinha terminado de rezar viu a Santíssima Virgem perto de si, rodeada por uma multidão de anjos. Ela bateu no homem possesso com um cajado de ouro que segurava e disse: “Responda ao meu servo Domingos imediatamente”. Então os demônios começaram a gritar:

“Oh, vós, que sois nossa inimiga, nossa ruína e nossa destruição, porque desceste dos céus só para nos torturar tão cruelmente? Oh, Advogada dos pecadores, vós que os tirais das presas do inferno, vós que sois o caminho certeiro para os céus, devemos nós, para o nosso próprio pesar, dizer toda a verdade e confessar diante de todos quem é que é a causa de nossa vergonha e nossa ruína? Oh, pobres de nós, príncipes da escuridão: então, ouçam bem, vocês cristãos: a Mãe de Jesus Cristo é todo-poderosa e ela pode salvar seus servos de caírem no Inferno. Ela é o Sol que destrói a escuridão de nossa astúcia e sutileza. É ela que descobre nossos planos ocultos, quebra nossas armadilhas e faz com que nossas tentações fiquem inúteis e sem efeito. Nós temos que dizer, porém de maneira relutante, que nem sequer uma alma que realmente perseverou no seu serviço foi condenada conosco; um simples suspiro que ela oferece a Santíssima Trindade é mais precioso que todas as orações, desejos e aspirações de todos os santos.

Nós a tememos mais que todos os santos dos céus juntos e não temos nenhum sucesso com seus fiéis servos. Muitos cristãos que a invocam quando estão na hora da morte e que seriam condenados, de acordo com os nossos padrões ordinários, são salvos por sua intercessão. Oh, se pelo menos essa Maria (assim era na sua fúria como eles a chamaram) não tivesse se oposto aos nossos desígnios e esforços, teríamos conquistado a Igreja e a teríamos destruído há muito tempo atrás; e teríamos feito com que todas as Ordens da Igreja caíssem no erro e na desordem.

Agora, que somos forçados a falar, também lhe diremos isto: ninguém que persevera ao rezar o Rosário será condenado, porque ela obtém para seus servos a graça da verdadeira contrição por seus pecados e por meio dele, eles obtêm o perdão e a misericórdia de Deus”.

(*) Fonte: www.deuspelaarte.com.br

Padre Alir
http://blog.cancaonova.com/padrealir/

01/09/2008 - 07h00

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=11131

Amar a minha pequenez e a minha pobreza

Imagem de Destaque
Deus faz quando assumimos que somos pequenos e pobres
Deus faz as grandes coisas por meio dos pequenos. É para o pequeno e o humilde que Ele manifesta a Sua glória. Para os orgulhosos é difícil acolher a própria pequenez e assumir que são pequenos. Por isso, assuma-se e ame-se.

Somos apenas uma “poeirinha”, mas Deus volve o olhar d’Ele para nós.

O que agrada a Deus, o que dá liberdade para Ele agir, é, primeiro: quando admitimos que somos pequenos, pobres e humildes; segundo: quando aceitamos e assumimos que somos pequenos. Maria nunca quis ser grande, por isso o Senhor olhou para Ela.

Meus irmãos, quem era João XXIII? Ele só queria ser um pároco da Igreja, viver uma vida de simplicidade, pois sabia que era pequeno. Mas Deus pôs Seus olhos nele e ele foi eleito Papa e, como a Santíssima Virgem Maria, deu o seu “sim”. E quantas maravilhas Deus fez por intermédio dele, que foi chamado de "O Papa bom", porque sabia que era pequeno e também sabia que tudo era por inspiração de Deus.

Deus pode fazer coisas grandiosas nas pessoas que assumem seu nada.

Lembro que no início de meu sacerdócio, no começo de janeiro, Dom Antônio Afonso de Miranda me chamou e disse "Esse documento [Evangelii Nuntiandi] é muito sério, precisamos colocá-lo em ação; comece como os jovens".

Eu vi inspiração nas palavras de Dom Antônio, mas ele não parou por aí. E foi me falando que "os batizados não são evangelizados. Faça alguma coisa!"

Eu me senti pequeno diante de algo tão grande. Comecei com os jovens através dos encontros com os Catecumenatos. Mais tarde os desafiei a darem um ano de suas vidas a Deus.

Doze jovens começaram comigo a experiência de largar tudo para ser só de Deus e evangelizar. Mas, alguém que estava sentada em sua cadeira disse que era algo muito sério, pois não seria só um ano, mas daria sua vida toda ao Senhor. A única dos doze, que começaram comigo, que ficou até hoje foi a Luzia. É uma história de duas pessoas que tiveram a graça de, assim como Maria, assumir o seu nada.

Lembro que a Luzia, quando se confessou comigo, só chorava mais que se confessava. Naquele momento, ela assumiu sua pequenez. Por isso, digo aos meus filhos de comunidade: “O segredo é assumir sua pequenez.

Se nós tivéssemos amado ainda mais nosso nada, Deus teria feito ainda muito mais, mas mesmo assim o Senhor fez em nós maravilhas. É por isso que a Canção Nova existe”.

Deus faz quando assumimos que somos pequenos e pobres. Para o Senhor nada é impossível, o segredo está aí. É necessário aceitar e assumir a nossa pequenez e pobreza. Louvemos ao Senhor que faz o impossível naqueles que reconhecem a sua pequenez.

Foto

Padre Jonas Abib
pejonas@cancaonova.com
Fundador da Comunidade Canção Nova e Presidente da Fundação João Paulo II. É autor de diversos livros, milhares de palestras em áudio e vídeo, viajando o Brasil e o mundo em encontros de evangelização. Acesse: wwww.padrejonas.com

29/08/2008 - 08h44

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?id=&e=11121